A Revisâo da Vida, escola de fraternidade. Manuel POZO OLLER

Destaque

Retiro da Fraternidade Sacerdotal
Iesus Caritas da Espanha
Galapagar, Madrid, agosto 2022

I O que diz o Diretório?

«É, sobretudo, na Revisão da Vida que a fraternidade exerce a sua função de regra de vida. Fala-se muito de revisão de vida, mas indicando diferentes realidades: diferentes intercâmbios, estudos evangélicos, revisão de vida apostólica. Para nós, em fraternidade, a Revisão de Vida é um ato de fé comum, no qual partilhamos acontecimentos, inquietações, esperanças e decepções, uma leitura comum da vida para descobrir nela os apelos do Senhor (…)
O Life Review é, antes de tudo, um olhar contemplativo sobre a ação do Espírito Santo em nossas vidas. E, ao mesmo tempo, é o meio de uma conversão permanente que deve chegar também ao melhor de cada um, estar sempre disponível aos apelos do Senhor, precisamente ali onde não eram esperados, onde não tínhamos visto nem ouvido ele até agora. A Revisão de Vida nos ajuda a descobrir o Senhor que é sempre maior, sempre diferente e até desconcertante para nós.
Há uma unidade de processo entre a Revisão de Vida e os demais meios da Fraternidade. A Revista de Vida é preparada de preferência no deserto, sempre em oração e, se possível, por escrito. É melhor não fazer do que improvisar. Supõe um clima de oração, escuta da Palavra de Deus, atenção recíproca. Não há necessidade de temer momentos de silêncio. Devemos ter a coragem de questionar uns aos outros, com delicadeza, mas com franqueza, sem medo de tensões e possíveis confrontos. A falsa amizade é a morte das verdadeiras revisões de vida e, portanto, da fraternidade.
Fazer uma Revisão de Vida implica o compromisso de cada um de realizar juntos os chamados recebidos. Cada um deve sentir-se responsável e solidário com os outros.
Uma autêntica Revisão de Vida pode nos apresentar ao mistério da morte e ressurreição de Cristo operando em nós. E, às vezes, nos levará ao sacramento da reconciliação”.

II Compreender a RV como escola de escuta, discernimento e fraternidade

Junto com a adoração, é o ponto forte do Retiro.
Seu objetivo é nos ajudar a ter uma visão contemplativa da vida, da realidade. Veja a vida pelos olhos de Deus.
Não é uma mera técnica de reunião fraterna ou de grupo. Procure educar um coração contemplativo.
Não é, portanto, nem confissão nem direção espiritual. nenhuma ferramenta para entender ou interpretar na vida dos homens
Se trata de:
1. Uma forma de buscar a presença do Espírito Santo em nossas vidas, falando com nossos irmãos para que, a partir da busca, eles possam nos ajudar a encontrar a vontade de Deus. Não é pedir conselhos, mas discernir juntos. O RV é preparado em adoração e silêncio
2. Um modo de ler o Evangelho na vida dos homens e um modo de ler o Evangelho na Igreja. Leia nos fatos, e em grupo, os movimentos do Espírito.
3. Um encontro com Jesus hoje, um Jesus que vive nas realidades do mundo e dos homens de hoje.
4. Uma pergunta sobre o meu modo de ser e viver, através do que os outros vivem.
5. Uma participação fraterna na vida dos irmãos.

Como se prepara?
Ele se prepara em adoração e silêncio. Um tempo de silêncio em que se misturam fatos da vida e adoração.

III Vida fraternal e RV

Na Fraternidade, a VR deve ser também para compartilhar o modo como a releitura da vida nos remete às intuições de Charles de Foucauld e da Fraternidade: adoração, Evangelho, solicitude pelos pobres e ser irmãos, como Jesus.

* Seu fundamento teológico é a experiência bíblica que o Senhor está compartilhando com seu povo e com aqueles que formam sua própria história, fazendo da história de cada um uma história de salvação. Esse olhar contemplativo nos ajudará a aprender a ver a dupla face de cada situação. Há um primeiro aspecto que vemos, e ao fundo um toque de Deus.
* Além de ser o material que contemplamos contemplativamente, é o meio de uma conversão permanente. Sempre que vamos à RV, vamos em atitude de conversão, prontos para ver que parte de nós tem que mudar, a dos outros, para ajudá-los a ler o caminho.
* Viver o RV juntos é viver uma experiência de Deus, enorme, através das situações que estamos apresentando no RV: estamos vendo a providência de Deus e sua amizade.
* É por isso que às vezes provoca uma ação de graças. Outros, um pedido de perdão, ou um pedido de ajuda para realizar o que vemos.
* As palavras são tão importantes quanto os silêncios. Sem pressa. Há silêncios interessantes, de um ou do grupo, para respeitar, interiorizar, pedir ajuda, deixar penetrar o que ouvimos. Devemos respeitar o ritmo que a comunicação séria exige de nós.

Manuel POZO OLLER, fraternidade da Espanha

PDF: A Revisâo da Vida, escola de fraternidade. Manuel POZO OLLER pt

Relatorio Retiro Seminaristas, Brasil 2022

A Fraternidade Sacerdotal Jesus Caritas do Brasil promoveu um retiro espiritual para seminaristas nos dias 18 a 22 de julho de 2022, na Casa da Fraternidade – Mosteiro da Anunciação, localizado na cidade de Goiás. Nestes dias, a casa ofereceu uma acolhida fraterna, num espaço apropriado, simples e silencioso, bem próximo da natureza, com alimentação simples, a oração do Ofício Divino das Comunidades, meditações inspiradas na vida e no testemunho do Irmão Carlos de Foucauld, Eucaristia diária e adoração eucarística, momentos a sós com Deus e a experiência da revisão de vida.

O retiro foi orientado pelo padre Carlos Roberto dos Santos e teve como lema: “Gritar o Evangelho com a vida”. Sete seminaristas participaram do retiro. Vale lembrar que eles tiveram suas despesas pagas pelos respectivos padres e bispos que os enviaram.

Os seminaristas chegaram na tardezinha do dia 18 e saíram após o almoço do dia 22. Foram três dias agradáveis, de convívio fraterno, conforme a proposta do retiro.

A partir da espiritualidade de São Carlos de Foucauld, o retiro aconteceu com leveza e seriedade, buscando ajudar os seminaristas a encontrar, ou reencontrar, o essencial em sua vida e vocação. Todos os dias, celebramos o ofício da manhã, presidido pelo Fernando Carlos da Costa (irmão residente na Casa da Fraternidade). Logo após foi tomado café, seguido de uma hora de trabalho manual. As 9h da manhã aconteceram as palestras, quando os seminaristas conheceram a vida do Irmão Carlos, apresentada pelo padre Carlos Roberto. Nos três dias, após as palestras tivemos um momento de deserto, entre 40 minutos a uma hora, seguido de uma hora de adoração eucarística, onde cada seminarista pode ficar a sós com o Bem-amado Senhor Jesus Cristo, e conversar profundamente com Ele, ressignificando sua vocação. Na parte da tarde os seminaristas ouviram o testemunho de vida do padre Carlos Roberto e do padre Gunther sobre esta espiritualidade em suas vidas. Em seguida, após um tempo de deserto, eles iam para o alpendre onde, orientados pelo padre Carlos, a cada tarde, um ou mais seminarista partilhava sua vida e sua história com os outros. Esta revisão de vida foi um momento muito bom, que, com certeza, marcou a vida dos seminaristas para viverem sua vocação de maneira saudável, partilhando com um diretor espiritual ou com alguém de sua confiança. Na tarde da quinta-feira Dom Eugênio Rixen (bispo emérito a diocese de Goiás e irmão residente na Casa) nos levou a um parque onde todos ficaram em contato com a natureza: rochas, rio e arvores.

Além da revisão de vida, o que mais marcou os seminaristas foi o encontro pessoal com Cristo na Eucaristia, sempre as 18h30, e os momentos de adoração eucarística, sempre das 11h ao meio dia. Estes momentos, vividos com simplicidade, levaram cada um dos seminaristas a fazer um encontro profundo com Cristo, conforme eles mesmos disseram em suas avaliações.

Eis, abaixo, alguns trechos do testemunho dos seminaristas:

A metodologia aplicada no retiro foi muito boa, não foi cansativa, mas sim tranquila, e com linguagem clara… esse retiro nos modificou e restaurou, e por fim nos preencheu aonde precisava ser preenchido, e trouxe força e sabedoria para que possamos seguir em frente, testemunhado a nossa vida em Cristo. Agradeço a todos que colaboraram de forma direta ou indireta para que esse retiro acontecesse, que Deus possa iluminar a cada um de nós! Muito obrigado! (João Pedro).

O encontro para mim veio num momento em que eu passava por uma crise espiritual forte, e lá, nesse encontro, pude conviver com pessoas excelentes que alimentaram minha fé com suas histórias de vida. Pude observar e rezar num ambiente favorável a oração, com os princípios de Irmão Carlos, de forma forte e descontraída. Um verdadeiro encontro com Jesus, um Deus que está perto de nós, nos momentos felizes e tristes, e lá pude perceber isso. Aprendi a buscar aquilo que essencial, o amor ao bem-amado, a Jesus que está sempre perto de nós, no serviço, nos momentos de lazer, na natureza, nas palestras, na história de cada um cuidando e mostrando o caminho através de pessoas que passam ou passaram por mesmos problemas. (Alvin Aran)

Jesus é e deve sempre ser a razão e causa de tudo aquilo que somos e queremos nos tornar… Cheguei neste retiro em crise de fé e/ou secura espiritual e retornar ao que de fato é essencial pode me fazer recuperar o que havia perdido e há muito tempo estava buscando. Durante os dias do retiro considerei uma saída da formação sacerdotal por perceber que a minha caminhada estava bem longe do essencial… o retiro da fraternidade mudou a minha vida, renovou a minha vocação e principalmente me fez retornar a única questão que de fato importa: Amar a Jesus onde quer que estejamos. (Andro Hadryem)

Desde a acolhida, passando pelos momentos de meditação, de adoração, das refeições, enfim, tudo contribuiu para um dos momentos que mais me tocaram pela sinceridade com a qual aconteceu. Poder ouvir e poder partilhar numa conversa, sem preconceitos e julgamentos, as rosas e os espinhos que compõem a nossa caminhada realmente faz bem à alma. E fez bem à minha alma poder ouvir a partilha dos irmãos como também poder partilhar com eles as minhas experiências. (Misael)

Gostei muito do cronograma, pois não foi pesado, e com momentos bem pensados. O ambiente por si só nos leva à oração, e o entrosamento de todos os membros da fraternidade para mim foi de grande importância… Espero carregar sempre em meu coração o que vivemos nesta semana, rica em espiritualidade e partilha em fraternidade. Que eu consiga fazer, assim como o fez São Carlos de Foucauld, a opção pelo último lugar, para ir onde ninguém quer ir e pregar o Evangelho com minha vida… muito obrigado e que Deus abençoe o senhor, Padre Carlos, e toda a fraternidade sacerdotal. (Iury Gabriel)

O retiro da Fraternidade para seminaristas foi um momento de experiência muito bom. Conhecemos um pouco mais sobre a Fraternidade Sacerdotal Jesus Caritas. Os momentos de orações foram muito gratificantes, para fortalecer a oração e a vida, na caminhada. Espero que no próximo ano eu possa participar novamente. Que Deus abençoe o seu ministério Padre Carlos que nos ajudou durante esses dias a caminhar mais firmes na fé. (Ewerton)

Este encontro/retiro foi uma oportunidade de revisar a vida à luz de Cristo, tendo olhos fixos nele e descobrir, na simplicidade e entre irmãos, o cuidado e a presença de Deus no cotidiano da nossa existência… O exemplo eloquente de Carlos de Foucauld e sua espiritualidade na busca do último lugar, no encontro e na convivência fraternal entre povos de distinta fé, muito me fez refletir de como lidar com os outros, principalmente no que tange as diferenças, em um contexto de muitas divisões e extremismos no mundo e não obstante na Igreja. Agradeço a todos que se envolveram para idealizar e executar cada detalhe deste retiro, desde a acolhida, hospedagem, alimentação, mas também as orações, missas, partilhas e palestras. Um destaque deve ser dado ao grupo que, muito aberto a proposta e dinâmica do encontro, levou a sério as atividades em que todos se empenharam, envolveram e comprometeram. (Fabiano)

Viver esta experiência com os 7 seminaristas aqui na Casa da Fraternidade foi muito bom para mim também. Num mundo onde aparências falam mais forte, inclusive na vida sacerdotal, e onde estamos vendo um “retorno ao passado”, sentindo falta de uma verdadeira mística, lembro que o Papa Francisco disse: “O evangelho está em nossa frente, não é coisa do passado. A ‘doutrina’ não é algo petrificado, enunciado para sempre”. E agradeço a Deus a oportunidade de viver esta experiência com os seminaristas. Peço a Deus que os mantenha firmes na vocação, e que cada um deles vivam a intimidade com Cristo, e “por causa de Cristo e do Evangelho”, vivam toda sua vocação a serviço de uma Igreja inclusiva, próxima de Deus e dos irmãos mais pobres. (Pe. Carlos Roberto).

Pe. Carlos Roberto dos Santos
Responsável Nacional da Fraternidade Sacerdotal Jesus Caritas

QUEM SOMOS NÓS?

A fraternidade que mora na Casa da Fraternidade – Mosteiro da Anunciação, em Goiás, desde o início de 2022, é composta por um bispo, dois padres e um leigo, membros da Fraternidade Sacerdotal Jesus Caritas.

Fazemos a experiência de viver em fraternidade e oração, segundo as intuições espirituais de São Carlos de Foucauld, no espírito do Concílio Vaticano II e das Conferencias episcopais Latino Americanas, em comunhão com o magistério do Papa Francisco e as orientações da CNBB.

A Casa da Fraternidade é um lugar de oração e de acolhida para todos que querem viver alguns dias de oração e recolhimento, individualmente ou em grupo, e desejam ressignificar sua vida vocacional.

Oferecemos a opção de acompanhamento individual ou em grupo para padres, seminaristas, religiosos e religiosas ou leigos e leigas.

 

PDF: Relatorio RETIRO SEMINARISTAS 2022