Charles de Foucauld e o eremitismo. Inácio José do VALE

Aprecio cada vez mais os encantos da solidão e estou tentando descobrir como entrar em uma solidão cada vez mais profunda”.

Charles de Foucauld

O eremita francês, bem-aventurado Charles de Foucauld permanece como um sinal de contradição. Estudiosos colocaram Foucauld entre os “santos” cuja visão religiosa cresceu com uma sabedoria e conhecimento íntimo de uma fé diferente. A prática literal das virtudes morais de Foucauld, em última análise, colocou-o entre os pobres e oprimidos como solitário peregrino. Sua vida enigmática deixa um legado de abissal heroísmo. Motiva uma fé radical a Cristo, no Evangelho, nas missões, no amor aos mais distantes e abandonados. É de suma importância ressaltar seu exemplo eremítico que comove de forma imensurável o abandono total ao Senhor bom Deus e também instiga a vocação especial para vida eremítica.

Disse Charles de Foucauld: “Eu amo o deserto, a solidão; é tão quieto e tão saudável; as coisas eternas parecem muito reais e a verdade invade a alma. Estou muito relutante em deixar a minha solidão e silêncio…”

Legado do eremita

Dentro de seu contexto de vida religiosa e de suas intuições de fundar congregações e fraternidades, Foucauld foi reabilitado em parte proporcionar pela sua conversão, integridade pessoal e a transformação do trabalho missionário em “testemunho impactante”. Desde a sua morte, o legado de Foucauld refletiu-se no surgimento de sacerdotes operários, no movimento dos Trabalhadores Católicos, do protagonismo dos leigos e, especificamente, no desenvolvimento das fraternidades que ele inspirou – Irmãozinhos de Jesus e Irmãzinhas de Jesus. A vida e a espiritualidade de Foucauld foram assim de renovação para a Igreja dos tempos modernos.

Os discípulos de Foucauld são hoje pequenas fraternidades de irmãos e irmãs no mundo inteiro. Eles vivem com os pobres, como pobres, no mesmo tipo de trabalho que seus colegas, não revelando suas próprias habilidades, educação, gostos culturais ou conhecimento profissional. Eles deliberadamente não têm nem desejos nem recursos, nem ideologia intervencionista para fazer o contrário, e reconhecem abertamente seus escassos frutos terrestres. Sua intenção é configurar a vida de Jesus em Nazaré: a “vida oculta” da autoanulação em um pequeno ambiente “familiar”. Ausente é a atmosfera do nacionalismo, a função civilizadora, do testemunho como ferramentas de conversão, os elementos culturais evangelizador que Foucauld deixou. As pequenas fraternidades estão inseridas no mundo como fermento na massa.

A grande lição que emerge da vida solitária e silenciosa de Charles de Foucauld é sua humildade, sua gentileza e sua bondade. A humildade, a caridade, a renúncia aos prazeres e as boas coisas deste mundo e a devoção ao serviço dos pobres e infelizes são virtudes que sempre impressionaram aqueles que conheceram o apostolado desse eremita.

Escreveu Charles de Foucauld: “Abraçar a humildade, a pobreza, a renúncia, a abjeção, a solidão, o sofrimento, como Jesus na manjedoura. Não se importar com a grandeza humana, ou ascensão no mundo, ou a estima dos homens, mas para estimar os muito pobres tanto quanto os muito ricos. Para mim, buscar sempre o último dos últimos lugares, ordenar a minha vida de modo a ser o último, o mais desprezado dos homens”.

Foucauld amplia o eremitismo com sua consciência de seus conhecidos, por seu ativismo em trabalhar lado a lado com eles, mas permanecendo exteriormente silencioso e interiormente solitário. De qualquer ponto de vista mundano, tanto Foucauld quanto suas fraternidades prontamente admitem seu “fracasso” e preferem seu testemunho, sua incubação em um nível social e moral. “Sucesso” não é o objetivo dos eremitas. O sucesso vem com comunicação, convívio, cooperação, não solidão, silêncio e autoanulação. Mas a vida eremítica dá testemunho de uma verdade mais profunda sobre mudança social, cultural, afetiva e psicológica, sem falar da mudança espiritual.

Charles de Foucauld é uma figura histórica complexa dentro do catolicismo, e da história do eremitismo, ou seja, ele é singularmente moderno e sua vida tem um esforço inconsciente para alcançar um eremitismo ecumênico, um eremitismo universal. O eremita comunga o amor para com todos, ele vive a mística intercessória pela humanidade.

O eremita do mundo peregrino, o eremita da cidade, da aldeia, da periferia ou da cela não podem e não esperam sucesso mundano ou mesmo pessoal. Esse não é o objetivo do eremita. Somente uma consciência do silêncio, do deserto, no eu e nos outros pode ser esperança de vida. A esse respeito, Charles de Foucauld se aproxima desse modelo único de eremitismo. A busca ardente do Absoluto se embriaga na acesse eremítica, na profundidade contemplativa e numa vida de fé que contagia e motiva a nossa vida para Deus.

Meditando

A vida do eremita Charles de Foucauld foi toda centrada em Deus e foi animada pela eucaristia, adoração, vigília, deserto, oração, caridade e serviço humilde, que ele esperava mostrar Jesus Cristo pelo testemunho. Aqueles que são inspirados por seu exemplo, procuram viver sua fé com humildade, com profunda convicção do Evangelho e no amor da Espiritualidade de Nazaré.

Frei Inácio José do Vale
Fraternidade Sacerdotal Jesus Cáritas
Fraternidade do Bem-aventurado Charles de Foucauld

PDF: Charles de Foucauld e o eremitismo

Carta de Advento, 2018, irmão responsável

Destaque

Queridos irmãos,

neste dia da festa de nosso irmão Carlos iniciamos o Advento: as semanas de esperança que são um reflexo de toda a esperança da humanidade. Nossa humanidade, numa crise permanente, uma crise humanitária em muitos aspectos, dói-nos a todos, e não podemos ocultá-la em nossa Igreja nem permanecer indiferentes. As celebrações com nossas comunidades, a oração pessoal, a vida na fraternidade, sejam de proximidade a essa parte da humanidade que vivemos em nossos lugares e naqueles que estão longe. O Advento nos motiva a escutar a voz que clama no deserto de todos os que levantam sua voz pela supervivência, seus desejos de paz, de trabalho, de liberdade. A humanidade continua esperando uma libertação; os pobres que esperam salvação, os ameaçados pela guerra, os deslocados buscando um lugar seguro… São milhões de pessoas nesta situação. Para eles também se anuncia Jesus, e nós, como missionários, devemos anuncia-lo.

A Igreja vive um momento difícil pela crise que provoca a denúncia dos abusos a menores, e o papa Francisco está respondendo com humildade e coragem ante o mundo. Isto é um testemunho de procura da verdade. Francisco também é testemunha da verdade.

Estamos preparando nossa assembleia mundial 2019. Somos chamados a refletir sobre nossa identidade como presbíteros diocesanos missionários no carisma de Carlos de FOUCAULD. É uma tarefa de todos os irmãos, apoiando aos responsáveis regionais, orando por todos os irmãos do mundo, pelas fraternidades que se iniciam e pelas que envelhecem.

UMA HUMANIDADE EM CRISE

Todos os dias recebemos más notícias de homens e mulheres, crianças, jovens e idosos, que sofrem por causas que não sempre estão claras para a opinião pública e os meios de comunicação. Sabemos que depende muitas vezes dos interesses ocultos de potências económicas e dos governos que ocultam realidades muito duras em seus países, mesmo se estes pertencem ao “Primeiro Mundo”. As vítimas das guerras, da violência, do narcotráfico, da hegemonia do homem sobre a mulher em muitas culturas, as vítimas da pobreza, clamam neste deserto, onde abundam as vozes pedindo justiça. Vozes que se misturam com outras que buscam vingança, o as de “aqui não passa nada”, ou “que voltem a seu país”. Nós também temos uma voz: a voz de Jesus, o anunciado pelos profetas. Uma voz que deve nascer de nossa fé, nossa vocação missionária, nesse estilo de Nazaré que é estar com as personas de nossa aldeia ou cidade, com os mais humildes deles, porque só os humildes nos ensinam a ser humildes. O irmão Carlos descobriu Jesus no meio da gente simples: apreendamos dele.

UM ADVENTO QUE NOS CONVIDA A SER RECETIVOS

Este tempo de Advento é um convite a escutar, a parar o tempo do relógio e, em atitude contemplativa, estar á escuta da l Palavra, do silêncio de Deus na adoração, e escutar os irmãos: os irmãos da fraternidade, os irmãos sacerdotes de nosso presbitério diocesano a quem, ás vezes, nos custa tanto escutar e aceitar porque os preconceitos matam o diálogo e o encontro; as pessoas que acodem a nós buscando respostas a seus problemas, ou os que compartem conosco o trabalho pastoral, social ou, simplesmente, como vizinhos. Abramos a porta, deixemos o melhor canto de nossa casa a quem procura, e não nos acostumemos a una dinâmica de bons conselhos e palavras fáceis. Mostrar nossa pobreza, nossas limitações para reparar “máquinas avariadas”, corações feridos, é deixar Deus fazer. Ele sim, é imprescindível. Ele cura. Jesus não é indiferente a nada, e neste Advento encoraja-nos a abrir o coração e deixar-nos inundar pelo amor de Deus e o amor da gente. Recobremos a alegria de seguir Jesus e ajudemos muitas pessoas tristes a transformar seu fracasso em triunfo, a amar-se a si próprias um pouco mais.

UMA IGREJA QUE SOFRE

Estamos todos sofrendo as consequências dos abusos a menores ocultados em muitas dioceses do mundo. A Igreja perde credibilidade, garantias, etc. Poderíamos dizer que sempre aconteceu assim, que isto era inevitável… Não seriamos fiéis á verdade. Sabemos que esta crise aberta ainda não se fechou. Nosso papa Francisco está sofrendo também por todo isso, e está dando a cara ante o mundo, pedindo perdão em nome dos que fizeram mal a outros, escutando, abrindo caminhos de solução para uma justiça em favor das vítimas, e este homem merece nosso apoio. Vivamos em comunhão com o papa Francisco, com inimigos em sua própria Igreja, mas com o apoio de toda a gente de bem, sejam eles crentes ou não, que veem em Francisco um profeta de nosso tempo, um homem coerente que, a pesar de ser “chefe de Estado”, é um ser humano sensível ao sofrimento da humanidade. Eu estou certo que, de toda esta crise, vai sair algo muito positivo para a vida da Igreja y o anúncio do Reino. Unamos nossa oração para fazer fraternidade com o papa, desde onde estamos.

O 1 DE DEZEMBRO

Faz 102 anos Carlos de FOUCAULD pôs-se definitivamente nas mãos do Pai. Hoje é um dia para dar graças a Deus por ele, pelo que nos transmitiu com suas intuições, pela missão que realizou junto ás pessoas que foram seus vizinhos, por seus sonhos de louco. O irmão Carlos nos ajuda em nossa vocação e nossa espiritualidade a viver a amizade com Jesus e com a gente, no Nazaré que cada um de nós vivemos, com nossa idade e vontade de viver, no silêncio e no anúncio. É uma prenda de Deus que merece nossa ação de graças continuamente. Tenhamos um tempo para valorar este dom: ponhamos na adoração deste dia perante Jesus tudo o que nos chegou de Carlos de FOUCAULD que, provavelmente, no sejam tanto seus escritos espirituais como seu testemunho de vida, de amor, de abandono, de confiança e generosidade.

Façamos a Oração de Abandono embora nos custe aceitar que estamos longe ainda de a fazer nossa completamente.

NOSSA ASSEMBLEIA MUNDIAL

Do 15 ao 30 de janeiro de 2019 celebraremos nossa Assembleia Mundial da fraternidade em Cebu, Filipinas. O tema central é aprofundar em nosso caráter de presbíteros diocesanos missionários no carisma de Carlos de FOUCAULD. Tudo o que se refere á assembleia está anunciado em nosso site iesuscaritas.org

Na barra verde de início se encontra o questionário preparatório, programa da assembleia, a folha de inscrição… Até agora são poucas as inscrições recebidas e só um continente (América) apresentou as respostas ao questionário, bem como algumas fraternidades regionais. É conveniente que não deixemos para o último momento estas tarefas. Coragem com tudo. Eu sei que todos estamos muito ocupados e temos pouco tempo. Façamos um esforço. Me enche de alegria receber correios com inscrições e respostas ao questionário, e compreendo as dificuldades que isto supõe para algumas fraternidades.

Á assembleia assistirão todos os responsáveis regionais ou delegados, anteriores responsáveis internacionais e os responsáveis continentais. Alguns de nossos irmãos não podem pagar suas viagens, pelas situações de seu país. A fraternidade mundial assume estas despesas na medida do possível, mas atualmente é muito difícil poder chegar a cobrir todas as necessidades. Algumas fraternidades de Europa e América responderam pagando o bilhete de um irmão da África, da própria América… Obrigado. Peço ás fraternidades vossa disponibilidade para ajudar em sua viagem irmãos de Haiti, Burkina Faso, República Centro-africana, Chade, Congo, Camarões, Ruanda, Madagascar, Paquistão, Índia, Bangladesh, que ainda não tem seu bilhete de aéreo. É um esforço importante que fará possível a presença e participação destes irmãos em Filipinas.

Obrigado aos irmãos filipinos por todo o trabalho no lugar para tornar possível a assembleia, e confiemos na boa vontade de todos os irmãos do mundo em demostrar que a fraternidade é algo mais que um grupo de padres, uma forma de espiritualidade: é compartir o que temos. Obrigado.

Nosso próximo irmão responsável, que elegeremos em Cebu, e sua nova equipe nos ajudarão a continuar fazendo possível a fraternidade desde nossas realidades e sonhos.

UM PASSO PARA O NATAL

Nestas semanas de preparação ao Natal vamos dispor o melhor lugar de nossa vida àquele que chega para ficar. Os anjos anunciaram aos pastores a Boa Notícia, e nos anunciam muitas alegrias. Existem anjos que nos chamam á porta, ou pelo telefone, ou na rua, e que nos dizem, ás vezes sem o saberem, que Deus está junto a nós. Existem rostos que nos fazem ver Jesus no hospital, na cadeia, nos lugares de acolhimento dos refugiados. Anjos nas pessoas de nossos irmãos doentes ou muito idosos, que deram tudo pela Igreja, pela fraternidade, pelos pobres. Rostos das pessoas anónimas que fazem o bem sem esperar nada em troca. Os anjos da gente simples de nossas paróquias que nos ajudam na pastoral, ou com sua presença nas celebrações, ou nos oferecem o melhor que têm de sua proximidade e amizade. São anjos sem asas, mas com uma voz que ninguém pode silenciar.

Com a esperança neste Advento de um mundo melhor, uma Igreja libre de tristezas do passado, uma fraternidade de irmãos que trabalham nas tarefas do Reino, um mundo renovado pelo esforço pela paz, pelos Direitos Humanos, contra todas as desigualdades, meu desejo de um Natal cheio de Deus, de Jesus irmão e amigo. Um grande abraço.

Aurelio SANZ BAEZA, irmão responsável

Perín, Cartagena, Murcia, Espanha, 1 de dezembro 2018,
festa do bem-aventurado Carlos de FOUCAULD

(Muito obrigado, irmãzinha Josefa, para a tradução)

PDF: Carta de Advento, 2018, irmão responsável, port