Félix

Destaque

Nosso irmão Félix RAJAONARIVELO

Membro da equipe internacional e responsável continental da África

Félix se foi com o Pai após sua doença de câncer de fígado.

Ele estava sendo tratado em um hospital em Bangalore, na Índia, com a ajuda de muitos irmãos de fraternidade e de sua família. Ele retornou para Madagascar em 8 de maio, e na véspera de Pentecostes, aos 14,50, no Carmelo de Amborovy, onde tivemos a nossa reunião a equipe internacional em 2014, entregou seu espírito a Deus e começou a vida dos bem-aventurado

Hoje, 5 de junho, realizou sua missa da Ressurreição na Catedral de Mahajanga.

Estou triste e feliz ao mesmo tempo. Este querido irmão deixa um vazio e também a esperança. Felix tem dado muito para a fraternidade e a igreja em Madagascar e devemos encorajar a continuar anunciando que Jesus Nazaré-estilo com a presença de vida dele. Ele vai continuar a ajudar diante do Pai com sua intercessão e sorriso indestrutível.

A equipe internacional e todos os irmãos das fraternidades sacerdotais Iesus Caritas do mundo, juntamente com a família de Charles de FOUCAULD em Madagáscar tem a dor no coração; Félix vai mudar-na tristeza, a alegria, como Jesús ressuscitado aos seus amigos.

Obrigado, Félix, por tudo que nos foi dado. Obrigado por suas boas-vindas e Nazaré. Você sempre estará conosco.

Aurelio SANZ BAEZA,
irmão responsável

5 junho 2017

PDF: FÉLIX, port

Carta de Jean François e Aurélio, Vernon, março 2017

Destaque

Queridos irmãos,

trabalhámos esta semana sobre os assuntos da fraternidade e, sobre tudo, as pessoas que estão no coração de nossa preocupação e que nos motivam, quer dizer, cada um de vós. Neste pequeno Nazaré de Vernon, em casa de nosso irmão François MARIN, que nos acolhe como a filhos seus, vos lembramos e damos graças a Deus por que sois nossos irmãos. Muito obrigado, François, por dar pousada ao peregrino e acolher teus irmãos.

Centramos o trabalho em rever temas pendentes da fraternidade num bom clima de diálogo e compartilhando ideias, opiniões e a preocupação por dar resposta a temas pendentes e de um futuro imediato para o funcionamento da fraternidade: os questionários para a Assembleia Europeia neste verão na Polónia, para a Assembleia Mundial na Índia em janeiro de 2019, a economia da fraternidade internacional, o preventivo da memória 2016 da fraternidade para ser enviada á Congregação para o Clero no Vaticano, a nova fraternidade em Haiti, as previsões para o encontro de responsáveis e delegados da família Carlos de FOUCAULD em abril, em Aquisgrão, os ecos do Centenário do irmão Carlos que nos chegam dos diferentes países, nossa inquietude pela saúde de Félix, de Madagascar, a recuperação de Suso, de Espanha, despois de uma intervenção cirúrgica, etc.

Segunda feira, 6 de março, compartilhamos com os responsáveis das regiões de Île de France e Normandia (Yves de MALLMANN, Joseph JOURJON, Louis YON e Xavier CHAVANE) um tempo prolongado de diálogo e encontro. Foi formidável poder encontrar-nos em fraternidade para por em comum as realidades de nossas fraternidades e as preocupações. Cremos que estamos vivendo em Europa um tempo de passagem que é um Nazaré real pelo envelhecimento das fraternidades. Existe um chamamento muito sério a viver este espaço com optimismo e amando esta espiritualidade Nazaré de ser cada vez mais idosos, com poucas entradas de gente jovem. Vivendo com simplicidade e ao mesmo tempo o compromisso de fraternidade universal nesta Europa centrada em si própria, redobrada sobre si, com a recusa do estrangeiro, do refugiado, com medos, que provocam a promoção das políticas populistas e as de corte reacionário. Perante tudo isto, e na línia do papa Francisco, nos sentimos chamados a testemunhar e viver a mensagem de fraternidade universal do irmão Carlos e o carácter missionário de nosso carisma como fraternidade sacerdotal Iesus Caritas. O diálogo com os muçulmanos em Europa acreditamos que é possível, e acontece em bastantes comunidades cristãs, com gestos de aproximação. Os preconceitos devem cair, e a tentação de olhar a outros deixar de ser uma ameaça. Por exemplo, em França, um terço dos bairros populares é muçulmano. Teremos que aprender a dialogar com esta realidade.

Terça feira, 7, recebemos a visita de Jacques GAILLOT, bispo de Partenia, de nossa fraternidade, que veio de Paris para compartir nosso trabalho em casa de Jean François. Foi um grande presente o tempo vivido desde que o acolhemos na estação do comboio de Vernon até sua partida. Pudemos aprender da sabedoria dos simples como ser mais humanitários, como ser sacerdotes num mundo difícil, como estar abertos á esperança e a viver fora das seguranças e comodidades de ser ocidentais. Obrigado, Jacques, por vir estar conosco e por todos os testemunhos a través de tua vida de uma entrega á causa de Jesus.

Quarta feira 8, trabalhamos na manhã, e á tarde fomos até a Gouville, para estar com Michel PINCHON, a quem encontramos forte e são. Sua casa está aberta a numerosas visitas de pessoas da terra onde vive ou de mais longe com quem partilha com generosidade sua experiência e sabedoria. Tivemos a ceia com Jean Louis RATTIER e a reunião do grupo de Bíblia de sua paróquia, em Damville, compartilhando sua pastoral e seu trabalho do dia a dia. Sempre é gratificante participar no Nazaré de cada irmão, tanto o exterior como o interior. Nazaré é a experiência viva de como nos situamos fraternalmente perante aquilo que nos rodeia, em uma união cada vez mais forte com Jesus.

Valoramos muito positivamente o trabalho de Fernando TAPIA, Jean Michel BORTHEIRIE e Manuel POZO em Almería, Espanha, para elaborar um documento base sobre o Mês de Nazaré. Este documento será estudado e aprovado na Assembleia de Bangalore. Obrigado a estes irmãos por ter respondido a nosso pedido desde a equipe internacional.

Lembramos que devemos fazer um esforço todas as regiões para colaborar com a caixa internacional, especialmente porque a próxima Assembleia Mundial de Bangalore 2019 tem já um orçamento e é preciso cobrir as despesas. Desde a equipe internacional procuramos economizar em recursos o máximo possível. Obrigado ás fraternidades que já aportaram sua cotização com generosidade.

Nosso site iesuscaritas.org está aberto á colaboração de todas as fraternidades. Esperamos vossos artigos, notícias e avisos de próximos acontecimentos para anuncia-los na agenda. É um meio de comunicação que nos aproxima uns dos outros.

Nossa reflexão teve como nota importante o chamado a viver, como fraternidade, nosso ministério como missionários dentro do presbitério diocesano, no lugar que ocupamos, seja na paróquia, ou no hospital, ou na prisão, ou dentro das organizações que ajudam os refugiados, os seres humanos deslocados pela guerra ou a pobreza, os lugares de atenção aos necessitados de nossas sociedades, com o chamado de ir aos últimos, como Carlos de FOUCAULD, já que aí encontramos a Cristo. Como o papa Francisco nos lembra, no há vida espiritual sem um coração aberto, generoso e misericordioso. “Saiamos, saiamos a oferecer a todos a vida de Jesus Cristo… Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e suja por sair á rua, mais do que una igreja doente pela reclusão e a comodidade de agarrar-se ás próprias seguranças… Mais do que o temor de enganar-nos, espero que nos mova o temor a encerrar-nos nas estruturas que nos dão uma falsa contenção, nas normas que nos tornam juízes implacáveis, nos costumes onde nos sentimos tranquilos, em quanto que fora está una multidão faminta e Jesus nos repete sem cansar-se: “¡Dai-lhes vós de comer!” (Mc 6,37) (Evangelli Gaudium, 49)

Desde Vernon nos desejamos uma santa Quaresma e um caminho para a Páscoa com Jesus e os irmãos e irmãs como companheiros de caminho.

Um grande abraço.

Jean François e Aurelio

Vernon, Normandia, França, 10 de março de 2017

(Muito obrigado, irmãzinha Josefa, para a tradução)

PDF: Carta de Jean François e Aurélio, Vernon, março 2017, port

WEND BE NE DO, um projeto que nasceu nas fraternidades

Destaque

WEND BE NE DO nasceu de um espírito unido entre Burkina Faso e Espanha a través das fraternidades de Carlos de FOUCAULD. Ir junto aos últimos, estar com eles, trabalhar por eles, situar-nos na periferia do mundo acomodado onde vivemos diariamente, é um desafio que a Fundação Tienda Asilo de San Pedro de Cartagena tomou a sério desde o ano 2005 e, por sua vez, todas as pessoas, organizações, instituições e paróquias que nos ajudaram e nos ajudam a seguir com um projeto que suscita amor, que te faz sentir que merece a pena trabalhar pela gente de Burkina Faso e especialmente pelas crianças, adolescentes, jovens e adultos de WBND na área de Bam, afetados pelo VIH-sida. Constatamos que o projeto se estende, que cresce, que as pessoas melhoram, que é como uma grande família onde ninguém é excluído. É um espaço humano onde não és estrangeiro embora nossa pele nos delate como ocidentais.

PDF: Memória WBND janeiro 2017, port

ILHA DE LESBOS, REFÚGIO DA ESPERANÇA, Carlos LLANO

Destaque

Carlos LLANO é desportista, economista, fundador da ONG Chilhood Smile e voluntário e colaborador da Fundação Tienda Asilo de San Pedro de Cartagena, Espanha, no projeto WEND BE NE DO de Burkina Faso. Esteve recentemente como voluntário na ilha de Lesbos, na Grécia, com os refugiados. Oferecemos seu valioso testemunho. Obrigado, Carlos.

Vivemos tão depressa e tão apegados a nossas mundanas necessidades do primeiro mundo que se fossemos capazes de tomar distância e observar-nos com atenção, sentiríamos repulsa por nós mesmos. O mundo tem graves problemas por resolver: calcula-se que existem 300.000 crianças soldados e que no ano 2016 são já 5.000 os refugiados e imigrantes que morreram afogados no Mediterrâneo, mas em geral, preocupam-nos mais nossos minúsculos problemas do primeiro mundo do que aquilo que possa acontecer fora de nossas fronteiras, ainda que esses acontecimentos sejam terríveis.

Vemo-los tão longínquos que por pensar que podemos fazer pouco, acabamos por não fazer nada. Os problemas do mundo não se solucionam aceitando-os com resignação ou indiferença ou culpando os governos. Os problemas do mundo são meus, são teus, são nossos. O mundo muda-se contagiando e inspirando com nosso comportamento diário. Se não quero ver nem um só afogado mais, só posso tomar a firme decisão de ir aportar meu minúsculo grãozinho de areia, que embora seja pequeno, é gigante comparado com a inação ou as centenas de mensagens que possamos pôr no muro de nossas redes sociais.

Lesbos é uma pequena ilha grega no meio do mar Egeo muito próxima das costas de Turquia. Alí se encontram dois campos de refugiados: Karatepe, que ainda conserva uma certa dignidade, onde estão famílias completas, na sua maior parte Sírias, mas poderiam estar até de República Dominicana. Sim, como estou dizendo, de República Dominicana. Quando não tens nada, arriscas até a vida, porque nada tens que perder fora desta mesma, y a desesperação pode chegar a ser tal que até a vida chega a não ter nenhum valor.

Em Karatepe cada família tem sua própia tenda de Acnur, têm cobertores, têm colchões e os voluntários de Remar encarregam-se de levar-lhes duas refeições diárias até a própia porta da tenda. As crianças brincam na “urbanização” de tendas, e a esperança de uma vida melhor parece que ainda não se perdeu completamente.

O outro campo de refugiados é Moria. Uma antiga cadeia com capacidade para 2.000 pessoas onde se encontram amontoadas mais de 5.000 em tendas de campanha do Decathlon que flutuam quando chove e a lama cai pelo aterro. A tensão é evidente e respira-se só com travessar esses altos valados cheios de espinhos. Aqui não há famílias, estão muitos rapazes jovens, e alguma mulher com crianças pequenas. Cada um deles de um país, uns costumes, uma língua, uma cultura. Jovens de Nigéria que fogem porque Boko Haram assassina, sequestra e tortura quem lhe passa pela cabeça. Adolescentes de Pakisãot que não querem continuar a viver num país onde o Isis chega a uma aldeia para degolar todas as mulheres e disparar a todos os homens até deixar essa aldeia sem rasto de vida. São histórias reais que me contaram enquanto ajudava durante horas fazendo a trivialidade de cortar quilos e quilos de batatas para poder comer esses milhares de rapazes, mulheres e crianças unidos por a desesperança por não ver saída no fim do túnel, por ver que as autoridades os têm ali esquecidos e conforme passa o tempo sua lembrança vai-se diluindo em nossos pensamentos. A deshumanização é tanta que as máfias converteram este problema em um negócio rentável onde chegam a cobrar de 3.000 a 5.000 euros por pessoa por uma embarcação sem nenhuma seguridade, com sobrepeso, a base de aglomerar mais e mais pessoas sem espaço para apenas mover-se, onde cada pessoa não pode levar nenhuma equipagem, já que tiraria espaço para outro refugiado a quem cobrar, e com uns coletes salva-vidas recheados de lixo em vez de ar que, em caso de necessidade y por sua falta de flutuabilidade, vai fazer perder una vida más, aumentando o número das 5.000 personas que já se afogaram no mar Mediterrâneo durante o ano 2016. Fica nossa inquietude ou nossa indiferença perante este desastre humano que parece ser uma rua sem saída. Em nossas mãos está mudar este mundo.

Carlos LLANO FERNÁNDEZ

PDF: Ilha de Lesbos, refúgio da esperança, port

Inácio José do VALE: Eucaristia, centro da vida da Igreja

A Eucaristia constitui o cume para o qual convergem todos os outros sacramentos em ordem ao crescimento espiritual de cada um dos crentes e de toda a Igreja. Neste sentido, o Concílio Vaticano II afirma que a Eucaristia é «fonte e centro de toda a vida cristã», o centro da vida da Igreja. Todos os outros sacramentos e todas as obras da Igreja ordenam-se à Eucaristia porque o seu fim é conduzir os fiéis à união com Cristo, presente neste sacramento (cf. Catecismo, 1324).

Por que será que costumamos associar “Eucaristia” com “Hóstia”?

O termo eucaristia significa ação de graças, e remete para as palavras de Jesus Cristo na Última Ceia: «Tomou, então, o pão e, depois de dar graças [quer dizer, pronunciou uma oração eucarística e de louvor a Deus Pai], partiu-o e distribuiu-o por eles, dizendo…» (Lc 22, 19; cf. 1 Cor 11, 24).

A palavra “Hóstia” vem do latim. Em latim, “hóstia” é praticamente sinônimo de “vítima”. Ao animal sacrificado em honra dos deuses, à vítima oferecida em sacrifício à divindade, os romanos (que falavam latim) chamavam de “hóstia”. Ao soldado tombado na guerra vítima da agressão inimiga, defendendo o imperador e a pátria, chamavam de “hóstia”.

Originariamente era o animal imolado ao sacrifício. Na Antiguidade, segundo alguns historiadores, chamava-se Hóstias ao ser que se oferecia a uma divindade, nos ofícios religiosos. Na Grécia antiga, o cordeiro era o animal ou a hóstia que se costumava imolar em honra aos deuses. Mais tarde, após o sacrifício de Jesus Cristo em Jerusalém, a Igreja Cristã teve a ideia de aplicar o termo Hóstia a Jesus, que se deixou imolar para a salvação dos homens. Passou então, Jesus Cristo a ser a vítima (Hóstia) que se sacrificou pela humanidade.

Ligada à palavra “hóstia” está à palavra latina “hóstis”, que significa: “o inimigo”. Daí vem a palavra “hostil” (agressivo, ameaçador, inimigo), “hostilizar” (agredir, provocar, ameaçar). E a vítima fatal de uma agressão, por conseguinte, é uma “hóstia”.

Então, aconteceu o seguinte: O cristianismo, ao entrar em contato com a cultura latina, agregou no seu linguajar teológico e litúrgico a palavra “hóstia”, exatamente para referir-se à maior “vítima” fatal da agressão humana: Cristo morto e ressuscitado. Os cristãos adotaram a palavra “hóstia” para referir-se ao Cordeiro imolado (vitimado) e, ao mesmo tempo ressuscitado, presente no memorial eucarístico.

Quando falamos em “hóstia”, devemos pensar na “vítima pascal”, pensamos na morte de Jesus Cristo e sua ressurreição, pensamos no mistério pascal. Hóstia é para nós: a morte do Senhor e sua ressurreição, sua total entrega por nós, presente no pão e no vinho consagrados. Por isso que, após a invocação do Espírito Santo sobre o pão e o vinho e a narração da última ceia do Senhor, na missa, toda a assembleia canta: “Anunciamos, Senhor, a vossa morte, proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus”.

Audiência: missa não é espetáculo para foto, é o encontro com Cristo

Cidade do Vaticano (RV) – A Praça S. Pedro acolheu milhares de fiéis para a Audiência Geral desta quarta-feira ensolarada de outono (08/11/2017) no Vaticano.

Após saudar os peregrinos de papamóvel, ao se dirigir a eles o Papa Francisco anunciou um novo ciclo de catequeses depois concluir na semana passada a série sobre a esperança.

A partir de agora, o tema será dedicado ao “coração” da Igreja, isto é, a Eucaristia. Para Francisco, é fundamental que os cristãos compreendam bem o valor e o significado da missa, para viver sempre mais plenamente a relação com Deus.

“Não podemos esquecer o grande número de cristãos que, no mundo inteiro, em 2000 anos de história, resistiram até a morte para defender a Eucaristia; e quantos, ainda hoje, arriscam a vida para participar da missa dominical.”

De fato, Jesus diz aos seus discípulos: “Se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. (João 6,53-54)”.

O Papa então manifestou o desejo de dedicar as próximas catequeses para responder a algumas perguntas importantes sobre a Eucaristia e a Missa, para redescobrir, ou descobrir, como a fé resplende o amor de Deus através deste mistério.

Francisco citou o Concílio Vaticano II, que promoveu uma adequada renovação da Liturgia para conduzir os cristãos a compreenderem a grandeza da fé e a beleza do encontro com Cristo. Um tema central que os padres conciliares destacaram foi à formação litúrgica dos fiéis, indispensável para uma verdadeira renovação.

“E esta é justamente a finalidade do clico de catequeses que hoje iniciamos: crescer no conhecimento do grande dom que Deus nos doou na Eucaristia.”

A Eucaristia, explicou o Papa, é um acontecimento “maravilhoso”, no qual Jesus Cristo, nossa vida, se faz presente. “Participar da missa é viver outra vez a paixão e a morte redentora do Senhor”. É uma teofania: o Senhor se faz presente no altar para ser oferecido ao Pai para a salvação do mundo.

“O Senhor está ali conosco, presente. Mas muitas vezes, nós vamos lá, conversamos enquanto o sacerdote celebra a eucaristia, mas não celebramos com ele. Mas é o Senhor. Se hoje viesse aqui o presidente da República, ou uma pessoa muito importante, certamente todos ficaríamos perto dele para saudá-lo. Quando vamos à missa, ali está o Senhor. Mas estamos distraídos. Mas, padre, as missas são chatas. A missa não, os sacerdotes! Então eles devem se converter.

O Pontífice fez algumas perguntas às quais pretende responder como, por exemplo: por que se faz o sinal da cruz e o ato penitencial no início da missa? “Vocês já viram como as crianças fazem o sinal da cruz? Não se sabe bem o que é se é um desenho… É importante ensinar as crianças a fazerem o sinal da cruz, pois assim tem início à missa, a vida, o dia.”

E as leituras, qual o seu significado? Ou por que, a certo ponto, o sacerdote diz ‘corações ao alto? “Ele não diz celulares ao alto para tirar foto! Não! Fico triste quando celebro e vejo muitos fiéis com os celulares ao alto. Não só os fiéis, mas também sacerdotes e até bispos. A missa não é espetáculo, é ir ao encontro da paixão e ressurreição do Senhor. Lembrem-se: chega de celulares.

“Através dessas catequeses, concluiu o Papa, gostaria de redescobrir com vocês a beleza que se esconde na celebração eucarística e que, quando desvelada, dá pleno sentido à vida de cada um de nós. Que Nossa Senhora nos acompanhe nesta nova etapa do percurso.”

Sobre a Santa Missa

Santo Inácio de Antioquia

“Esforçai-vos, portanto, por vos reunir mais frequentemente, para celebrar a Eucaristia de Deus e o seu louvor. Pois quando realizais frequentes reuniões, são aniquiladas as forças de Satanás e se desfaz seu malefício por vossa união na fé”.

São João Crisóstomo

“A Eucaristia dá-nos uma grande inclinação para a virtude, uma grande paz e torna mais fácil o caminho para a santificação”.

São Bernardo de Claraval

“Fica sabendo, ó cristão, que mais se merece assistir devotamente uma só Missa (na igreja), do que distribuir todas as riquezas aos pobres e peregrinar toda a Terra”.

São Tomás de Aquino

“O martírio não é nada em comparação com a Santa Missa. Pelo martírio, o homem oferece à Deus a sua vida; na Santa Missa, porém, Deus dá o seu Corpo e o seu Sangue em sacrifício para os homens. Se o homem reconhecesse devidamente esse mistério, morreria de amor. A Eucaristia é o milagre supremo do Salvador; é o Dom soberano do Seu amor.”

São João Maria Vianney

“Agradeçamos, pois, ao Divino Salvador por Ter nos deixado este meio infalível de atrair sobre nós as ondas da divina misericórdia. A Santa Missa é uma embaixada à Santíssima Trindade; de inestimável valor; é o próprio Filho de Deus que a oferece.”

Santo Agostinho

“Na hora da morte, as Missas à que houveres assistido serão a tua maior consolação. Um dos fins da Santa Missa, é alcançar para ti o perdão dos teus pecados. Em cada Missa, pode diminuir a pena temporal devida aos teus pecados, pena essa que será diminuída na proporção do teu fervor’.

São Francisco de Assis

“Sinto-me abrasado de amor até o mais íntimo do coração pelo santo e admirável Sacramento da Santa Eucaristia e deslumbrado por essa clemência tão caridosa de Nosso Senhor, a ponto de considerar grave falta, para quem, podendo assistir a uma Missa, não o faz.”

São Jerônimo

“Nosso Senhor Jesus Cristo nos concede tudo o que Lhe pedimos na Santa Missa; e o que mais vale é que nos dá ainda o que nem sequer cogitamos pedir-Lhe e que, entretanto, nos é necessário. Cada Santa Missa a que assistires, alcançar-te-á, no Céu, maior grau de glória.”

Santa Teresinha do Menino Jesus

“Não é para ficar numa âmbula de ouro, que Jesus desce cada dia do céu, mas para encontrar um outro céu, o da nossa alma, onde ele encontra as sua delícias”.

Conclusão

A eucaristia não é show e nem espetacularização para multidões, não é ideologia partidária para ações políticas, não é exibição para elite das colunas sociais, não é agregação cultural sectária e nem tão pouco um culto individualista com retorno capitalista.

Afirmou o Bem-aventurado Charles de Foucauld: “A Eucaristia é Deus conosco, é Deus em nós, é Deus que se dá perenemente a nós, para amar, adorar, abraçar e possuir”.

Sobre o sacerdote ele disse: “O sacerdote é um ostensório, seu dever é mostrar Jesus. Ele tem de desaparecer para deixar que só se veja Jesus…”.

Já pela eucaristia vivemos a celestialidade, adoração a Santíssima Trindade e as delícias de louvores da corte angelical.

Frei Inácio José do Vale
Professor e Conferencista
Irmãozinho da Fraternidade de Charles de Foucauld
E-mail: pe.inacio.jose@gmail.com

Fontes:

http://br.radiovaticana.va/news/2016/05/26/papa_eucaristia,_centro_e_forma_da_vida_da_igreja/1232722

http://girototal1.blogspot.com.br/2015/11/origem-da-hostia-consagrada.html

http://cleofas.com.br/o-que-os-santos-disseram-da-eucaristia-e-da-missa/